sábado, 8 de outubro de 2011

Projetando a semana de 10 à 14/10: IBOV, Dólar e S&P500



Tanto o IBOV quanto o S&P500 seguem exatamente em linha com os últimos estudos postados (tanto o de sábado, 01/10, quanto os anteriores), com alguns poucos comentários, além é claro, da atualização dos gráficos conforme abaixo.

Fica aqui o destaque para a precisão do que fora projetado, e que venho repetindo já há algumas semanas para o S&P500: "...onda 5 aos 1.075 pontos..."). Exatamente a mínima de terça-feira, dia 04/10.

Já o  Dólar Futuro (DOLFUT) teve alterações mais significativas, conforme apresentado na sequência.

Obs.: Os estudos a seguir se baseiam principalmente nos números de Fibonacci e nas Ondas de Elliott.
____________________________
IBOVESPA

Os objetivos para o "fundo do poço" continuam os mesmos: "...inicialmente ir buscar os 47.793 pontos (mínima de 08/08), que se perdidos projetará queda até os 37.850 pontos...".

O movimento do índice tem respeitado os canais que vão se desenhando (e que apontam cada vez mais para o teste do fundo de 08 de agosto). Nos gráficos menores, temos a LAD do Ibovespa em linha com o índice, sem apresentar divergências.

Apesar do repique visto nessa semana, o semanal apresenta perda de -2,07%, deixando um candle que sugere a continuidade do movimento de baixa.

Sobre reversão e consequentemente um mercado de alta, continua vigorando o que venho dizendo:

"...Alta? Compras para médio / longo prazo? Só após o rompimento da máxima de 01/09 (58.589 pontos), situação essa que poderá sofrer alterações, para cima ou para baixo, na(s) próxima(s) semana(s)...".

____________________________
DÓLAR FUTURO

Ao contrário da semana passada, o repique visto nos últimos pregões aliviaram a pressão sobre o Dólar, fazendo-o recuar significativamente na semana (-5,84%).

Devido a isso, houve uma pequena alteração no ponto projetado de correção (ou seja, até onde o Dólar teria espaço para cair, saindo do R$ 1,735 - conforme postei no último dia 24, e subindo um pouco, agora para R$ 1,771, valor esse que provavelmente foi atingido no pregão dessa sexta ontem (marcando a onda 4 do movimento de alta).

Com a piora do cenário mundial, visto principalmente ontem, a tendência e de que a pressão retorne sobre o câmbio, e que a busca pela máxima de 22/09 (R$ 1,961) ganhe força. Nesse cenário (mais provável), a projeção de atingir os R$ 1,961 em 11/10 (conforme o estudo feito no sábado, dia 01/10), fica praticamente cancelada (a não ser que alguma notícia muito ruim - como a confirmação do "default" Grego - venha à tona, saindo do papel de fato).

E por fim, duas frases ditas nas minhas últimas análises, que continuam valendo:
  • "... se rompido o topo de 22/09, os alvos para o dólar futuro estarão na casa dos R$ 2,33 e     R$ 2,55 (final), o que significaria que a situação econômica mundial piorou e muito, aos moldes do Subprime ...";
  • "... se o cenário econômico mundial melhorar (pouco provável), a pressão sobre o dólar tende a afrouxar, o que pode diminuir o apetite comprador. E vice-versa ..." .
____________________________ 
STANDARD & POORS 500

Como citei no começo dessa postagem, foi impressionante a precisão do que fora projetado e do que foi atingido (1.075 pontos). Após tal objetivo cumprindo, com precisão cirúrgica, naturalmente o S&P ganhou força compradora (repique), dando pinta de ter marcado a onda A (da corretiva A-B-C) na máxima de ontem.

Caso isso se confirme, o índice deve voltar a testar a mínima de 09/08, na casa dos 1.102 pontos, que coincidirá com o piso do canal, onde novamente deve encontrar força compradora. Isso claro, se a onda A se confirmar na máxima de ontem (A ?), já que ela ainda pode ir até o teto do canal (A ??).

O índice americano fechou a semana em +2,12%, com o VIX fazendo pullback no piso da cunha (que havia sido rompida na semana passada), abrindo assim espaço para novas altas nos próximos pregões.
.