quinta-feira, 31 de março de 2011

Ibovespa para 31/03/2011



Os mercados na Ásia fecharam em direções contrárias, mas com leve variação, destacando a queda de -0,94% do Shanghai Composite. Já na Europa, a manhã começou negativa, mas também com pequena variação, ainda não determinante para uma definição de hoje.

Pelas Américas, o Dow Jones fechou mais um pregão em alta (sendo praticamente o 10º pregão seguido nessa situação), e hoje podemos ter uma definição do futuro do índice, devido à proximidade da resistência de 12.400 pontos:

- Se romper, o DJI volta a fazer novas máximas no ano. Se não, podemos ter um movimento de correção (natural até), visto a forte sequência de alta dos últimos dias.

O que é preocupante nesse movimento é que toda essa alta foi basicamente com volume abaixo da média, e como sabemos "...o volume confirma o movimento...". Provavelmente amanhã teremos uma melhor definição.

Os Índices Futuros novamente trabalham no campo positivo, corroborando para o rompimento dos 12.400.

Resumindo, vejo o cenário externo para hoje como neutro, sem um claro viés definido.

Analisando o Ibovespa:

Com o cenário externo positivo (mesmo com a pressão vindo de Portugal & Cia), o IBOV fechou em importante alta no pregão de ontem, se aproximando com mais convicção de um real rompimento da resistência de 68.225 pontos, o que livraria de vez o índice da congestão de 31 pregões (iniciado em 14/02). Hoje podemos ter uma definição desse andar de caranguejo... .

O IE segue sem sinalização (devido à congestão). Já o H-MACD continua apresentando divergência de baixa (que só deve mudar com o rompimento de fato dos 68.225). O volume e que não está ajudando, sendo de fundamental importância para um rompimento definitivo (e não somente um teste na resistência, com eventual pullback).

Por fim, vejo o mesmo cenário de ontem: "...ainda segue neutro (por estar preso à congestão), mas com viés de alta...".