sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Lei da Oferta e Procura



Essa é a melhor definição para a queda do Ibovespa, vendo pelo prisma Fundamentalista. Basicamente a guerra entre oferta e procura, ocasionada pela saída do capital gringo da nossa bolsa.

Postei aqui no NegociaAcao.com, Em 02 de março do ano passado (2010), um texto exatamente sobre isso, sobre como a fuga do capital estrangeiro afeta e trava a Bovespa.

Abaixo segue o texto que recebi hoje:

Da NewsLetter diária da ADVFN
Entenda a real razão da queda na bolsa


Na teoria da formação de preços existem duas palavras já bem conhecidas: oferta e demanda. Essa teoria pode ser aplicada em quase qualquer situação: na feira, no mercado imobiliário, na formação das taxas de juros e no mercado de ações. Por que os preços das ações têm caído tanto ultimamente? Por que a bolsa brasileira está caindo enquanto as bolsas internacionais estão subindo? 

A resposta é simples: os investidores estrangeiros, que compõem praticamente um terço da movimentação do mercado brasileiro estão saindo da bolsa. E seu capital tem dois destinos: a renda fixa aqui mesmo no Brasil que possui uma expectativa de alta nos próximos meses ou seus mercados de origem, já que a situação dos países desenvolvidos está melhorando.

No momento essa massa de investidores estrangeiros está inundando o mercado brasileiro com ordens de vendas, ou seja, há mais vendedores do que compradores, há mais oferta do que demanda, e inevitavelmente essas duas forças naturais irão buscar seu equilíbrio.

Em 2010 a correlação entre saldo dos investidores estrangeiros e movimento na bolsa é quase absoluta. Em sete meses em que o saldo desses investidores ficou negativo a bolsa caiu seis vezes. E quando os investidores estrangeiros entraram comprando, como aconteceu em cinco meses de 2010, a bolsa subiu, e subiu forte, em quatro desses meses.

Ontem Mark Mobius, gestor de um dos maiores fundos de investimentos do mundo afirmou que a saída dos investidores estrangeiros dos mercados emergentes é passageira. O motivo é óbvio segundo ele: as economias dos países emergentes irão crescer muito mais que as dos países desenvolvidos. E não há dúvida de que quando eles voltarem à bolsa, esta irá reagir de acordo.

Serão as forças da oferta e demanda buscando um novo equilíbrio.
.